Sabe aqueles filmes em que a pessoa tem um encontro às escuras? Acho aquilo o máximo. Não aqueles encontros em que vai um monte de gente e vai mudando de mesa conforme o papo está chato, aqueles encontros em que uma pessoa conhece alguém que cisma que combina com você e te apresenta. O outro tipo de encontro, o que vai passando de mesa em mesa, é no mínimo constrangedor, fora que não deve nunca dar boa gente, né? Ou até dá, mas sei lá. O próprio fato de estar em um desses já me colocaria como louca, desesperada e encalhada. Já parou pra pensar que aqueles encontros são tipo o tinder? A pessoa vai passando e vendo quem ela quer e quem ela não quer, mas é pior porque é na cara, na lata. E se eu acho o tinder constrangedor, imagina isso?! Sim, o tinder é constrangedor. É útil, é. Mas pra cidade pequena aquilo lá é muito constrangedor. Outro dia vi na rua um menino que eu tinha curtido no tinder e Santo Deus eu não sabia onde enfiava a cara de vergonha. É óbvio que eu me fingi de totalmente interessada no assunto da minha amiga e não deixei morrer até que não tivesse mais que dar de cara, né? Quem nunca?! Em casos constrangedores nível básico eu consigo fazer isso muito bem, agora quando o nível do constrangimento é alto eu perco a fala. Tem um menino que toda vez que eu vejo me desconcerta, eu juro. Tenho uma amiga que sempre está presente e quando o menino passa eu não consigo falar mais nada, fico tipo: Anh... É... Gente, que que eu tava falando mesmo? Beijos, Dai, você sabe quem é. E não é amor, nunca foi, mas não sei que que é. Na verdade tem muita gente que deixa a gente travada, não é? Não sei o motivo, mas tem gente que eu simplesmente não consigo manter um diálogo maduro. A pessoa diz e aí, Laiz? Tudo bem? E eu digo: macarrão. 

Enfim, bem queria que fosse prática aqui no Brasil isso de: Você precisa conhecer fulano e aí a pessoa vai lá e resolve todos os detalhes do encontro pra mim. Pensa que Mara. E ia ser normal, ninguém ia achar estranho ou que eu estava desesperada. Aquela minha amiga que tem aquele amigo gato não hesitaria em apresentar. Só acho que seria bacana que alguém facilitasse as coisas de vez em quanto. Que a vó Ana não leia isso porque se não ela faz um café da tarde e convida pretendentes. Sim, ela já planejou fazer isso. 

Sim, porque minha vó é dessas. Todo mundo conhece.

Acontece que eu amo primeiros encontros, sou apaixonada. Amo combinar de me encontrar com uma pessoa. Amo a expectativa que rodeia tudo isso, a hora que não passa, o medo de levar um bolo. Eu sou uma pessoa extremamente pontual e ninguém mais é, então eu sempre acho que vou levar o bolo. Sou capaz de me lembrar de todos os meus primeiros encontros. Primeiro encontro tem expectativa, mas não tem cobrança, se não der certo não tem segundo encontro e pronto. Você inventa que vai levar o unicórnio da sua irmã para pintar as unhas e com certeza a pessoa vai entender a indireta. Primeiro encontro é muito revelador, você sabe quando vai dar certo, é quando você beija a pessoa e pensa: É, fudeu. 

1 comentários:

Anônimo disse...

Amo primeiros encontros *____* ... Aquela vergonha de "o que será que eu falo" hahahaha... Amooo!!! E amo seu blog ;) s2